Conselho Consultivo avalia tombamento de Paracatu

Largo do Rosário, em 1933, com a Procissão de Corpus Christi: Área do Núcleo Histórico Central de Paracatu. Foto: Olímpio M. Gonzaga/Acervo Arquivo Público de Paracatu-MG

Como vários outros municípios mineiros, Paracatu nasceu sob o signo do ouro dando origem a um povoamento que, por sua vez, levou ao surgimento de centros econômicos integrados para abastecer as áreas de mineração. Esta sequência de acontecimentos favoreceu o desenvolvimento agro-pastoril, especialmente em regiões da Bahia, Pernambuco e em alguns locais de mineração. O rico patrimônio cultural dessa cidade mineira é uma das propostas de tombamento que serão avaliadas pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, reunido dias 9 e 10 de dezembro, no edifício Palácio Gustavo Capanema, à Rua da Imprensa, 16, no centro do Rio de Janeiro.

Esquina entre o Largo da Jaqueira e a Rua Samuel Rocha.: Núcleo Histórico Central. Foto: Carlos Lima / Out. 2010 / Acervo Arquivo Público de Paracatu-MG

 

A construção de Brasília provocou uma onda de migrações para o centro do país, que atingiu a cidade. Contudo, Paracatu mantém seu centro histórico praticamente intacto, apesar de algumas transformações na arquitetura. A morfologia urbana de vias e travessas proporcionam a leitura de seu passado colonial e de sua posição estratégica na ocupação do centro-oeste brasileiro.

A origem da cidade no ciclo do ouro

Paracatu tornou-se ponto de referência do noroeste mineiro influenciando as regiões do Alto Paranaíba, do Triângulo Mineiro e do sudoeste goiano. Nesse contexto, a data provável do surgimento do antigo arraial é entre 1690 e 1710. O município se destaca por sua localização estratégica, pois era ponto de convergência dos diversos caminhos que ligavam o litoral (Bahia, Pernambuco e Rio de Janeiro), às “minas gerais” e ao interior do país.

Há comprovação de que em 1603 a localidade já era conhecida por bandeirantes e, desde tempos imemoriais, habitada por indígenas. A partir de 1727, várias sesmarias foram concedidas no território que hoje abrange o município. As minas de Paracatu foram as últimas jazidas descobertas em Minas Gerais, no momento em que o ciclo do ouro estava chegando ao fim. Esse fato foi um dos motivos de a cidade ter ganhado importância no cenário nacional na primeira metade do século XVIII, conquistando, no período colonial, o título de Princesa do Sertão. A exploração aurífera durou até depois de 1819, após o que o município entrou em um processo de estagnação econômica, que durou até a década de 1960, com a construção de Brasília.

Século XX: Atividade minerária no Córrego dos Macacos, em Paracatu. Foto: Olímpio M. Gonzaga /19--. Acervo Arquivo Público de Paracatu

A abertura de vias e a construção das edificações aconteceram em função do sítio físico, sem pré-determinação, o que resultou no traçado irregular ainda hoje perceptível. Os perfis característicos das ruas são definidos pelas próprias edificações, implantadas no alinhamento do terreno, e sem afastamentos laterais.

A ausência de vegetação urbana configurou uma espécie de “canal”, onde circulam pessoas e veículos. A separação entre o espaço aberto público e privado é bastante clara, ficando este último restrito ao interior dos lotes ou das quadras. Desde a década de 1960, esta configuração tem sido gradativamente substituída por outra “aberta”, onde o espaço público entra em contato direto com o espaço privado do interior dos lotes. Devido à ausência de vegetação urbana, as praças assumem o aspecto de “ilhas” de vegetação nos espaços públicos, e devido à característica social da população, onde a vida se desenvolvia nos espaços intramuros, eram utilizadas em celebrações religiosas e ocasiões festivas na cidade.

A Igreja Matriz de Santo Antônio e a igreja de Nossa Senhora do Rosário, ambas de Paracatu, foram objeto de tombamento pelo IPHAN, em 13 de novembro de 1962.

Beco do Sobradinho: Uma lembrança do passado de Paracatu. Foto: Carla Alfonsina / Nov. 2009

Serviço: Reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural

Data:9 e 10 de dezembro de 2010

Local:Palácio Gustavo Capanema

Rua da Imprensa, 16 – Centro – Rio de Janeiro – RJ

Fonte: Site URA Online / Uberaba

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: