Servidores públicos do Distrito Federal visitam o Arquivo Público de Paracatu

Por: Carlos Lima (*)

Marcelo, Poliana e Rosália, do Arquivo Público do Distrito Federal. Foto: Cristiane Andrade/APMOMG

O título de patrimônio histórico nacional e a dedicação que resulta num trabalho eficaz no Arquivo Público da cidade foram certamente os motivos que levaram servidores do Arquivo Público do Distrito Federal a incluírem Paracatu no roteiro de visitas técnicas a serem realizadas por eles em Minas Gerais.

Com uma equipe técnica formada por Marcelo Durães (Gerente de Acervo Fotográfico), Poliana Araújo (Administradora) e Rosália Saldanha (Arquivista), o grupo de servidores do DF conheceu o Arquivo Público Municipal na manhã desta segunda-feira (13), ocasião em que a instituição abriu suas portas, em caráter especial, para atendê-los e fazer jus à titulação concedida pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) em outubro do ano passado.

Arquivista Carlos Lima (direita) apresenta manuscrito restaurado para os técnicos do GDF. Foto: Cristiane Andrade/APMOMG

Durante a visita guiada aos acervos da instituição, informações técnicas e gerenciais foram transmitidas àquela equipe, que também trouxe sua contribuição e experiências do cotidiano ali no Arquivo Público do Distrito Federal. De acordo com a arquivista Rosália Sandanha, o Arquivo do DF passou longo tempo sem receber documentação dos demais órgãos, mas atualmente o processo de reestruturação daquele órgão arquivístico fará com que os documentos produzidos pelo Distrito Federal sejam transferidos para o local, que é especializado no gerenciamento, preservação e disponibilização de acesso às informações.

Na fachada do Arquivo, os servidores do DF com a auxiliar Cristiane Andrade (centro). Foto: Carlos Lima/APMOMG

Já o gerente de acervo fotográfico, Marcelo Durães, disse que lida diariamente com um arquivo composto por milhares de imagens referentes à formação da Capital Federal. Ele, que é especialista no trato de imagens fotográficas, comparou o trabalho num laboratório tradicional de revelação de fotos ao trabalho que é feito num laboratório de higienização e restauro de documentos, como acontece no Arquivo Público de Paracatu: “um trabalho minucioso, mas prazeroso”, disse ele.

Na Sala dos documentos da Comarca de Paracatu, os servidores trocam informações sobre Arquivo. Foto: Cristiane Andrade/APMOMG

Na opinião dos visitantes, o Arquivo de Paracatu destaca-se porquê desenvolve várias atividades em que se é possível trabalhar com higienização e restauração, educação patrimonial, digitalização de documentos, educação ambiental, entre outras.

O grupo, que participará da 6ª Cineop (Mostra de Cinema de Ouro Preto) nos dias 15 a 20 deste mês, organizou um roteiro de visitas a diversos Arquivos Públicos em Minas Gerais, entre eles o de Paracatu, o de Ouro Preto e o de Montes Claros.

(*) Carlos Lima é graduado em Arquivologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBa), é consultor em organização de arquivos e memória empresarial e exerce o cargo de Coordenador do Arquivo Público Municipal de Paracatu.

Atenção! Caso queira publicar esta matéria, cite o autor.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: