Jornal Estado de Minas denuncia caos do Museu Histórico de Paracatu

Confira a matéria na íntegra:

Casarão centenário será restaurado em Paracatu

A casa que abriga rico acervo da antiga Villa Paracatu do Príncipe e raros objetos do século 18 é ameaçada pela chuva. Restauração depende de recursos federais

Por: Paulo Henrique Lobato(*)/Jornal Estado de Minas

Museu Histórico de Paracatu: Goteiras danificaram o piso de madeira e provocaram a queda de reboco das paredes. Foto: Paulo Henrique Lobato/Jornal Estado de Minas

Paracatu – 19/03/2012 – Quase um ano e meio depois de o núcleo colonial de Paracatu ter sido tombado como patrimônio nacional pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), moradores e visitantes que chegam ao museu da cidade, a 580 quilômetros de Belo Horizonte, lamentam o estado do interior do imóvel, um dos principais cartões-postais do Noroeste de Minas. Algumas paredes já perderam o reboco, o piso de madeira foi danificado e até goteiras, durante as chuvas, molham o interior da centenária construção, erguida em 1903 para sediar o mercado municipal.

A situação do museu é um contraste tanto ao título recebido do Iphan quanto ao rico acervo exibido no local. Um dos principais objetos é o exemplar do Livro de Compromisso da Irmandade de Nossa Senhora do Amparo, datado de 1765 e cuja capa, em veludo, tem como destaque uma fechadura de metal. Mas várias outras peças despertam encantos nos visitantes, como imagens sacras esculpidas em madeira no século passado, por artesãos da região. O imóvel ainda abriga fotografias e documentos antigos e moedas do período imperial, cunhadas em 1868, 1871, 1885 e 1887.

Visitação: Socióloga Maria Emília e estudante Gustavo Resende se encantam com as raridades. Foto: Paulo Henrique Lobato/Jornal Estado de Minas

A socióloga Maria Emília Meireles, de 24 anos, de Brasília, é uma dos turistas que fazem questão de passear no museu quando visita familiares em Paracatu. Com paciência de quem tem tempo de sobra para olhar e ler sobre os objetos raros, ela percorre todos os cômodos do prédio. E diz que sempre se encanta com o rico acervo. A jovem não dispensa elogios à conservação e importância das peças. Mas lamenta a situação precária da estrutura interior do imóvel: “Todo museu ajuda a preservar a história. A arquitetura deste imóvel me chamou muita atenção. É bonita, mas o piso e as paredes…”.

JAZIDAS 

Maria Emília foi ao antigo mercado em companhia do primo, Gustavo Resende, de 13, morador de Paracatu. A pouca idade não o impediu de reivindicar reparo na edificação: “É um acervo bonito, que não para de crescer. Há novidades em relação à última vez que estive aqui, há poucos anos. Mas o prédio precisa ser reparado.” Ele ressalta que o museu é um dos principais endereços do Centro antigo da cidade, que, no período colonial, foi elevada à Villa Paracatu do Príncipe.

O arraial que deu início ao município começou a ser povoado entre 1690 e 1710. Paracatu foi o lugarejo em que a coroa portuguesa encontrou as últimas jazidas do ciclo do ouro. Por isso, também na época do Brasil colônia, Paracatu do Príncipe também era conhecida como a Princesa do Sertão. O ouro ajudou no desenvolvimento do município, que atualmente abriga duas grandes empresas: a canadense Kinross, que explora uma mina do metal precioso lá, e a Votorantim, que extrai zinco. O agronegócio é outro setor que gera riqueza na região.

Museu Histórico Municipal Pedro Salazar Moscoso da Veiga, em Paracatu, no Noroeste de Minas Gerais. Foto: Paulo Henrique Lobato/Jornal Estado de Minas

REFORMA

Mas o turismo também é forte no município, hoje com cerca de 85 mil habitantes. A Prefeitura de Paracatu reconhece que o museu precisa ser reformado. O Departamento de Comunicação da administração informou que o município contratou um projeto arquitetônico para o local e que a obra de restauração está orçada em cerca de R$ 400 mil. O dinheiro será liberado por meio da emenda parlamentar. Porém, ainda não há data definida para o início e a conclusão da obra.

Chafariz da Traianna: Um dos cartões postais da cidade. Foto: Paulo Henrique Lobato/Jornal Estado de Minas

CHAFARIZ E IGREJA 

O núcleo antigo de Paracatu abriga vários pontos turísticos. Um deles, o chafariz da Traianna (foto), fica bem em frente ao museu municipal. O local é um tributo barroco assinado pelo artista plástico Fábio Ferrer. No alto do chafariz, a imagem de uma mulata escrava dá maior charme ao endereço. Diz a lenda que tal mulher despertava desejos nos fidalgos enquanto percorria os becos do lugarejo. A boa conservação do chafariz, porém, contrasta com o interior do casarão que abriga o museu. Outros atrativos do núcleo histórico, como a Igreja Matriz de Santo Antônio, em estilo barroco-jesuítico, também estão bem conservados. O templo fica a cerca de 200 metros do chafariz e do museu. Em frente, uma praça bem arborizada e alguns bancos são um convite ao descanso.

(*) Enviado especial a Paracatu-MG

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: