Paracatu e a arquitetura que se perdeu com o pseudo progresso

Por: Carlos Lima (*)

A Rua do Ávila com a sua arquitetura original, salvo uma edificação ao fundo (Hotel Walsa). Foto do Acervo APMOMG / [19--?]

A Rua do Ávila com a sua arquitetura original, salvo uma edificação ao fundo (Hotel Walsa). Foto do Acervo APMOMG / [19–?]

Paracatu (MG) – 08/11/2013 – Muitos podem até ignorar quão rica foi a arquitetura de Paracatu até a primeira metade do século XX, em que existira por aqui um conjunto em sua grande maioria intacto e fiel a sua história. Lamenta-se, contudo, que a partir de 1950 a imponência da cidade histórica tenha dado lugar ao pseudo progresso de origem candanga – defenderiam alguns! – que culminara com alterações inconcebíveis de toda ordem.

Rua Sacramento (Atua Eduardo Pimentel). Foto/Reprodução: Livo Paracatu do tempo em   tempo/Oliveira Mello/2001

Rua Sacramento (Atua Eduardo Pimentel). Foto/Reprodução: Livro Paracatu do tempo em tempo/Oliveira Mello/2001

Quando se observam as fotografias antigas da cidade, os sentimentos que surgem são no mínimo de perda e de tristeza com relação ao patrimônio que aqui subsistira, isto porque se a história fosse o contrário, ter-se-ia por aqui um esplêndido laboratório a céu aberto para a educação patrimonial e para o turismo, não fossem é claro o desconhecimento e a irrelevância com que foi tratada a preservação da cidade no século passado.

As ruas e becos possuíam características bem peculiares às cidades do Brasil colônia: Calçadas à pedra e afuniladas ao centro, onde também se encontravam encravados os postes de madeira para a iluminação. De acordo com o escritor Antônio de Oliveira Mello, em seu livro Paracatu do Príncipe: Minha Terra (1978), foi na gestão do Prefeito Wladimir da Silva Neiva (1959-1963) que se “remodelou a Praça da Matriz” e que se deu início ao asfaltamento de diversas vias.

Casa de Câmara e Cadeira edificada em 1870. Foto de Olímpio Gonzaga / 1910 / Acervo APMOMG

Casa de Câmara e Cadeira edificada em 1870. Foto de Olímpio Gonzaga / 1910 / Acervo APMOMG

É fato que quase a totalidade dos logradouros do município sofreu intervenções desastrosas, como a pavimentação asfáltica sobre as ruas antes calçadas à pedra e a demolição de sobrados e casarões para cederem espaço à construção de novas casas e vias. O sobrado da Casa de Câmara e Cadeia, existente em diversas cidades brasileiras, aqui não resistiu muito tempo e foi demolido em 1935, de acordo com registro do Professor e memorialista Olímpio Michael Gonzaga.

No panorama atual, convive-se sobremaneira com vários entraves quando o assunto é preservação do patrimônio histórico, entre eles, a escassez de recursos para esse fim, obras irregulares, tráfego de veículos pesados e a falta de fiscalização mais freqüente e rígida no Núcleo Histórico de Paracatu. Há quem diga que a irrelevância com que o assunto é freqüentemente encarado decorre, em parte, em virtude de as atenções estarem concentradas em áreas mais rentáveis no momento, como é o caso da mineração.

Teatro Philodramático edificado em 1890 e demolido em 1952. Foto/Reprodução: Livro Memória Histórica / Olímpio M. Gonzaga / 1988

Teatro Philodramático edificado em 1890 e demolido em 1952. Foto/Reprodução: Livro Memória Histórica / Olímpio M. Gonzaga / 1988

Para uma Paracatu que se pretende evoluir sem perder de vista suas origens, sua sustentabilidade e suas qualidades de cidade histórica, é razoável afirmar que onde havia rua, beco e largo calçados à pedra, é indispensável pensar nas possibilidades de um retorno a essa arquitetura verdadeiramente colonial e resgatar assim o que se perdeu na confluência de interesses desvinculados da memória de um povo.

(*) Carlos Lima é graduado em Arquivologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBa), é Pós-Graduado em Oracle, Java e Gerência de Projetos, é consultor em organização de arquivos e memória empresarial e exerce a função de Arquivista do Arquivo Público Municipal de Paracatu.

Atenção! Caso queira publicar esta matéria, cite o autor. Casa utilize as imagens, cite o fotógrafo e o acervo Arquivo Público de Paracatu-MG.

Anúncios

3 Respostas

  1. Terezinha Santana Guimarães | Responder

    Realmente, foi uma perda irreparável!
    Tudo em nome da modernidade e do progresso!

  2. Infelizmente a falta de preservação do patrimônio cultural esta muito ligada tambem com a falta de capacitação e sensibilidade dos gestores publicos em geral , pois com leis de proteção mais severas, plano de ocupação para a area do Centro Historico e com investimento em capacitação de funcionarios da area e com materiais de trabalho apropriados, poderiam salvaguardar a memoria e o patrimonio cultural. Tambem poderiam conseguir recursos financeiros fazendo projetos para restauração de edificaçoes, livros, Historia oral, pois verba do governo federal tem, falta é profissionais motivados para fazer.

  3. Jorge da Cunha Pereira Filho | Responder

    Esse problema, no Brasil, é triste… Estive recentemente em Peçanha, MG, e todos os casarões de adobe, taipa socada, foram simplesmente demolidos. De quebra, arrancaram todo o calçamento em pedras lisas, com aquelas “capistranas”, que ainda existem em Diamantina, MG, e colocaram paralelepípedos… Arrancaram todas as árvores centenárias para plantar novas… Destruíram tudo. No lugar do casarão de um primo meu, do século XIX, está a moderníssima loja do Banco da Brasil, e assim sucessivamente. Só sobrou um único edifício de taipa, ao lado da matriz, porque o dono teve consciência da História, senão teria também sido demolido… Os administradores públicos quiseram ser “progressistas” e “modernos”! Pensaram que eram muito “civilizados”… Mas simplesmente destruíram a História!
    É uma calamidade a ascensão de gente sem cultura ao poder, como ocorre atualmente no Brasil, porque eles arrasam tudo. Só pensam no estômago! Enfim, fazer o quê? Eu não voto neles… É o que eu posso fazer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: