Patrimônio Cultural

Tapuiada

 Éuma dança de origem índio-negra e caracteriza-se por ser é a mais rica de passos e com uma história muito simples: de um lado estão os congos, negros de uma aldeia próxima, e do outro, os tapuios, índios desconfinados da existência dos vizinhos, e sem a coragem de se aproximar.

A tapuiada teve a sua origem em Paracatu em fins do século XVIII e é comemorada no dia 08 de setembro em homenagem a Nossa Senhora do Amparo.

Só para sentir-se o autêntico espírito religioso, observe o coro transcrito abaixo:

                                                                                                                                                                                                                                                                                    

                                  Nós dançamos e folgamos                        

                                  Neste dia de Alegria

                                  Vamos bem juntos louvar

                                  O Amparo de Maria

A tapuiada é portanto um folclore religioso.

Caretagem

A caretagem é uma celebração realizada em louvor a São João Batista durante os dias 23 e 24 de junho, de forma a marcar o início das comemorações juninas em Paracatu. Quanto a sua origem, há hipóteses de que ela tenha chegado juntamente com os escravos vindos das diversas Áfricas para trabalhar nas lavouras.

Os ensaios, a bandeira, as máscaras e as roupas coloridas são elementos cheios de simbologia para seus atores e personagens principais.

Em Paracatu, a caretagem constitui-se de um total de 4 grupos, de forma que são 2 na zona rural (Arraiais de São Domingos e de São Sebastião), e 2 nos bairros Paracatuzinho e Alto do Açude, e é praticada por negros, uma vez que se acredita que foram os movimentos migratórios ocorridos no Brasil Colônia, vindos da região Nordeste do Brasil, especificamente do Recôncavo do Estado da Bahia, os responsáveis por trazerem a Caretagem até Paracatu.

Pesquisa: Cristiane Andrade (Servidora do Arquivo Público Municipal)

Referências:

OLIVEIRA MELO, Antônio de. Paracatu do Príncipe: Minha Terra. Patos de Minas: Academia Patense de Letras. 1978. 144p

SILVA, Paulo Sérgio Moreira da. Caretagem como prática cultural: fé, negritude e folia em Paracatu-MG (1960 -1980). Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia –  Dissertação de Mestrado em História. 2005. 200p

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: